Freud e a Cocaína – David Cohen

   FreudFreudFreud

Entre 1882 e 1866, o jovem Sigmund Freud aspirava por prestígio, trabalhava em um Hospital de Viena utilizando um método novo para tingir as fibras nervosas e se tivesse continuado os estudos nessa área, provavelmente seria o pioneiro a explicar a teoria neural do sistema nervoso central. Estava abalado emocionalmente, sua situação financeira e o seu noivado com Martha não estavam bem, teve que enfrentar a morte do amigo Nathan Weiss, a doença do pai e do estimável professor Ernst Fleischl. Em meio a tantas instabilidades, na noite de abril de 1884, Freud ingeriu 1∕20 gramas de cocaína. Importante ressaltar que a cocaína dessa época (considerada inofensiva) era muito diferente da que conhecemos hoje em dia. Até mesmo o seu conceito, na época, era visto como uma substância que poderia trazer benefícios a inúmeros tratamentos como anestésico ocular, secreções gástricas, estimulante mental até como uma medicação da ninfomania feminina. Não se conhecia o potencial viciante que ela causava.  Freud esperava adquirir fama e fortuna com os estudos derivados da cocaína e chegou até mesmo a publicar um artigo Über Coca em julho de 1884.

 No livro Freud e a cocaína, escrito pelo escritor e diretor de cinema David Cohen, tradução Cristina Cavalcanti, 2014, editora Record, 1 ed. Traz uma contribuição crítica à biografia de Freud e sua relação com a droga psicoativa. Informa que provavelmente sem a presença do alcaloide, o pai da psicanálise, não teria conhecido profundamente a psique humano e criado as teorias que marcaram significativamente o início do século XX. Assim também, a cirurgia moderna e a psicanálise foram formuladas, de um certo modo, graças à morfina e cocaína.

Não só Freud, mas várias personalidades conhecidas na época experimentaram os efeitos alucinógenos da droga, tal como o poeta Baudelaire:

A princípio, uma certa hilaridade absurda e irresistível toma conta de você[…] Em seguida seus sentidos se tornam extraordinariamente perspicazes e agudos. Sua visão é infinita. Seus ouvidos podem distinguir o som mais imperceptível, mesmo em meio aos ruídos mais acres.”

22-patrice-murciano
Pintura de Patrice Murciano, encontrada no site Marte é Para os Fracos: http://marteeparaosfracos.blogspot.com.br/2014/07/as-brilhantes-cores-na-arte-pop-de.html

Tal efeito é visto como uma grande qualidade da cocaína. Alguns artistas e movimentos intelectuais chegaram até mesmo a relatar a proximidade deles com os Deuses.

David Cohen, também fala sobre a excêntrica personalidade de Freud colocando críticas a alguns fatos omitidos por Ernest Jones (biógrafo escolhido pelo próprio Freud). Explica o seu estranho comportamento, as dissonâncias cognitivas, a sua negação ao erro, buscando nas próprias palavras do autor as suas incoerências. Freud era inseguro e sempre precisava de um amigo para auto afirmá-lo. Ganha popularidade e mais confiança em si depois do sucesso de A Interpretação dos Sonhos.  Em suma, o chama de “mestre da enganação”, ambivalente com a sua própria transparência no que contradiz com o conceito da “busca pela verdade”, defendida veemente pelas linhas psicanalíticas.

É um interessante livro, que elucida hipóteses bastantes coerente, porém o Cohen peca em alguns acontecimentos, que um leitor inocente poderá cair. Tais como:

  1. Na página 31, Cohen coloca de maneira bastante descabida o rompimento de Viktor Frankl com Freud. Este primeiro teria enviado um artigo para Freud, quatro anos depois o encontrará numa praça em Viena, perguntando o que ele tinha achado do artigo. Freud não sabia nem quem ele era:

“Profundamente magoado, Frankl passou a hostilizar a psicanálise, dedicou-se a destronar Freud e criou um tipo diferente de terapia, a logoterapia. “

 

Soliloquy
Pintura de Blade Runner, encontrada na página: https://br.pinterest.com/explore/blade-runner/

Como bem colocado no artigo A Vontade de Sentido na Obra de Viktor Frankl, do Ivo Studart Pereira, Universidade Federal do Ceará, Frankl divergiu de Freud e Adler por discordar do princípio do prazer e do status drive, dentre outros motivos. Este evento descrito por Cohen, pode ter acontecido, mas não de maneira tão rapsódia como coloca o autor.

  1. Foi Arthur Heffer que isolou a mescalina em 1897 e não Louis Lewin, como afirma.
  2. Manuscritos do Mar Morto, escrito por Timothu Leary não era sobre cogumelos.

 Do mesmo modo como Freud receitou com entusiasmo sobre os efeitos benéficos da cocaína, para o amigo e a Martha, David Cohen faz uma contundente crítica a indústria farmacêutica. Esta que há muito tempo detém o domínio das experiências e efeitos dos remédios; inventando doenças se possível e “comprando” muitos médicos recém-formados e psiquiatras. Um grande alerta para os dias atuais. Aos capítulos finais do livro Cohen faz um panorâmico histórico e importantes estudos de outras drogas como o ecstasy.

Importante ressaltar os efeitos devastados da cocaína, como descreve o site http://br.drugfreeworld.org/drugfacts/cocaine/effects-of-cocaine.html tais como:

  • Delírio e psicose;
  • Disfunções sexuais;
  • Danos irreversíveis nos vasos sanguíneos coronários e cerebrais…

121017-Kahler

Esquizofrenia Paranóide, imagem encontrada no site http://rodrigoken.com.br/decifrando-a-esquizofrenia/

Hoje em dia as vítimas mais suscetíveis ao vício da cocaína e outras drogas são os jovens, com a ideia de viver o aqui e agora, não se preocupando com as consequências dessas escolhas. Tal como é retratado no filme Paraísos Artificiais do diretor Marcos Prado, mostrando também uma interconexão das drogas entre países, tal como Cohen diz em seu livro.

paraisos-artificiais-cartaz


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s